Sistemas de Aterramento

No esquema de ligação TT, o NEUTRO do transformador é ligado a uma Haste de Aterramento localizada entre o transformador e o padrão de entrada. Este neutro segue para o quadro medidor e dali para o quadro de distribuição.

O fio terra é ligado a uma outra haste de aterramento dentro do terreno da casa e então, segue para o quadro de distribuição.

A partir do Quadro, terra e neutro são distribuídos para os circuitos da casa.

No esquema de aterramento TN, o NEUTRO que vem do transformador e o fio terra são ligados a uma única Haste de Aterramento ou a um conjunto de Hastes interligadas. Dali seguem para o quadro de distribuição.
No Brasil este é o sistema mais utilizado nas residências.

A diferença básica entre o sistema TT e o TN é que, no sistema TN teremos sempre o terra e o neutro com mesmo potencial, porque estão ligados na mesma haste de aterramento.

Com isso, temos a certeza de ter construído, não só para o circuito de terra como também para o circuito do neutro, um caminho fácil para que as correntes de fuga ou sobretensões “escapem” para a TERRA. Existem outras duas variantes do sistema TN, mas normalmente o modelo mais utilizado é o que vemos no esquema acima.

No sistema TT, não temos como saber onde o neutro está aterrado, por isso, com certeza, o potencial será diferente do terra. Soma-se a isso o fato do neutro ser um fio muito mais longo do que o terra. Por essas razões, o caminho pode não ser fácil o suficiente para que as sobretensões escapem pelo neutro direto para a terra, fazendo com que passem antes, pela instalação residencial.

Para saber mais sobre Sistemas de Aterramento, matricule-se no Programa Fame do Canal do Eletricista. Se você já participou deste programa em turmas anteriores, em que o assunto Aterramento não foi abordado, informe-se na RIC sobre os módulos de atualização que serão realizados em Dezembro/04.
 
Vivian Pozzetti
Fonte: Eliane


    Voltar